sexta-feira, 19 de outubro de 2012

A realização profissional da policial feminina no RN desde o ano 2000


Por:  Das Graças Nascimento



                     Pauta de hoje: A realização profissional da policial feminina no RN desde o ano 2000 (ano que eu entrei) até os dias de hoje.

                    Li uma entrevista sobre a TC PM/DF Cynthiane Santos. Aos 40 anos a mesma irá comandar o Batalhão de choque daquele Estado. Como mulher e como profissional de segurança sinto - me bastante orgulhosa e ao mesmo tempo bastante decepcionada com o modo como somos tratadas aqui n
o Estado.

                   Voltando no tempo, quando entrei em 2000 durante o curso não podíamos de forma alguma falar com os homens durante o curso, tínhamos que baixar a cabeça ao passar por qualquer homem dentro da APM, nunca entendi aquela atitude haja vista a Gloriosa ser composta em sua grande maioria por homens, enfim, quando me formei fui pra CPFem a ainda alcancei as mulheres usando short - saia e o famoso sapato "baratinha", aquele uniforme era deveras impróprio para o serviço operacional. Graças a Deus assim que as 2000 entraram puderam enfim usar calça e trabalhar numa viatura ostensivamente, viatura essa composta só por mulheres por determinação dos comandantes, mesmo depois de formadas os superiores chamavam a nossa atenção quando conversávamos com os homens.
No início só era "permitido" usar o coldre de cintura, como eu era motorista resolvi usar o coldre de perna e fui muito discriminada por causa disso, os mais antigos estavam mais preocupados com minhas vestimentas "femininas" do que com a minha segurança. Farda feminina nunca existiu durante todos esses anos, recebíamos fardamentos masculinos enormes, as costureiras piravam para diminuir aquelas sacolas. Esse ano, enfim, resolveram fazer fardamentos um pouco parecido com um corpo feminino.

                  Lembro que as 2004 foram as primeiras que usaram tonfas (antes só usávamos bastões) e também foram alvo de chacotas e reclamações por parte de pessoas que nunca souberam o que é necessário ou não no serviço policial ostensivo.

             CFO pra o efetivo feminino desde 1996 que não tem, não há mais tenentes combatentes do quadro feminino. O último concurso que houve com vagas para mulheres foi o CFC em 2002.
Diariamente eu me pergunto qual o papel da policial feminina dentro da corporação, não o papel da mulher, o PAPEL DA POLICIAL FEMININA.

                    Quando a CPFem tinha a sede dentro do QCG houve alguns constrangimentos por parte de alguns homens, chegavam uns pedindo pra pregar botão em farda, outros pra engomar canícula, outros pedindo pra cuidar do filho porque a esposa tinha saído, eu sempre me recusei a fazer esses tipos de serviço, até gritos levei, mas não fiz. Graças a Deus essa idéia de que a mulher é empregada doméstica e dona de casa prendada dentro da profissão diminuiu e muito depois que a CPFem saiu do Zero.

                      Quando pedimos pra usar pistolas disseram na cara da gente que não porque se ele (não falarei o nome) tinha atirado na própria perna imagine o que as mulheres não fariam. Só foi permitido o uso da pistola pra quem tinha o curso da FNSP e depois foi aberto pra quem tinha o método Giraldi.

                   Resumindo, o papel da policial feminina aqui dentro do Estado ainda não se firmou, ainda não sabemos de fato o objetivo fim, falta interesse dos que detém o poder, mas acima de tudo falta o interesse de nós mulheres. Sei que a voz da gente é quase imperceptível, mas não podemos deixar que a gente se torne mera recebedoras de soldo. A corporação é extremamente machista e não vejo uma luz de quando isso irá acabar, ou pelo menos diminuir.

                        Quer ver o mundo acabar? É alguém falar que vai aderir o rabo de cavalo aqui na corporação. Se aqui não pode usar um simples rabo de cavalo imagine quando será que uma mulher irá comandar uma tropa de elite.
Eu digo quando... NUNCA!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário